Definição

Também conhecida como pedra ou cálculo na vesícula, o colelitíase é um problema comum, acometendo cerca de 10% da população adulta ao longo da vida. Apesar de qualquer pessoa poder apresentar colelitíase, alguns casos têm maior risco:

  • idade: mais comum em pacientes acima dos 40 anos
  • mulher: ocorrem mais comumente em mulheres que homens
  • obesidade: são mais frequentes em pacientes obesos
  • hereditariedade: pessoas que têm casos na família têm maior risco

Atualmente não se sabe o exato motivo das pedras/cálculos se formam no interior da vesícula biliar.

Sintomas

A maioria dos pacientes que têm pedra na vesícula nunca teve sintomas. O sintoma mais conhecido é a cólica biliar, na qual o paciente apresenta uma dor (geralmente tipo cólica, de moderada/forte intensidade) na parte superior do abdome, especialmente do lado direito. Entretanto este não é o achado mais frequente. Os principais sintomas são:

  • sensação de estufamento e má digestão
  • náuseas (enjoos) e vômitos
  • desconforto na parte superior do abdome

Geralmente, os pacientes associam como causa dos sintomas problemas gástricos (de estômago). Muitos pacientes realizam endoscopias e tratamentos para o estômago, porém não melhoram ou melhoram apenas parcialmente. Nestes pacientes, a investigação para colelitíase é mandatória.

Diagnóstico

O melhor método para diagnosticar pedra na vesícula é a ecografia (ultrassonografia) de abdome (sensibilidade de 95%-98%). Tomografia de abdome não é tão eficaz para o diagnóstico de colelitíase. Ressonância magnética é recomenda para avaliação em casos de suspeita de cálculo no canal principal da bile – ducto colédoco.

Pólipo de vesícula biliar

Pólipos da vesicular biliar são incomuns. Na maioria dos casos, são diagnosticados de forma incidental em exames de imagem de abdome realizados por outras causas. Os pólipos geralmente não causam nenhum sintoma. A preocupação referente aos pólipos da vesícula está relacionada ao risco de evolução para neoplasia (câncer). A conduta frente ao diagnóstico depende do tamanho do pólipo.

  • Pólipos menores que 1 cm: apenas observação e exames de imagem de controle a cada 6-12 meses.
  • Pólipos maiores que 1 cm: indicação de cirurgia para retirada da vesicular biliar (colecistectomia)
  • Pólipos que crescem de tamanho: indicação de cirurgia para retirada da vesicular biliar (colecistectomia)

Complicações

Além dos sintomas, os cálculos na vesícula biliar estão associados a complicações potencialmente graves:

  • colecistite aguda: inflamação aguda da vesícula causada por um cálculo que obstrui o canal de saída da vesícula. Nestes casos a dor é intensa e não cede com analgésicos. O tratamento normalmente é a cirurgia realizada em caráter de urgência.
  • pancreatite aguda: inflamação do pâncreas, causada pela passagem de uma pedra da vesícula para o canal principal da bile (ducto colédoco) que conecta o fígado ao intestino. O cálculo neste canal pode obstruir o ducto do pâncreas e levar ao quadro de inflamação.

Geralmente, pedras múltiplas e pequenas estão associadas à maior risco de complicações. Cálculos maiores que 1 cm, raramente saem da vesícula para o canal principal da bile.

Indicação cirúrgica

Os pacientes que apresentam sintomas decorrentes da pedra na vesícula têm indicação cirúrgica. Entretanto, muitos pacientes não apresentam sintomas (assintomáticos) e os cálculos foram achados em um exame de imagem de rotina ou outra investigação. Nestes pacientes a conduta é considerada controversa, pois não se sabe quais pacientes desenvolverão sintomas/complicações ou não. Então, cabe ao médico e ao paciente decidirem, levando em consideração outros aspectos como: idade, presença de doenças associadas e tamanho das pedras.

Tratamento

Colecistectomia - Cirurgia

A única forma de tratamento da pedra/cálculo na vesícula é a retirada cirúrgica da vesícula biliar (colecistectomia). Outras opções para quebrar ou dissolver a pedra, não são consideradas modalidades efetivas de tratamento. A cirurgia é atualmente considerada um procedimento simples e, na grande maioria dos casos, é realizada por videolaparoscopia. São realizadas 3 ou 4 pequenas incisões no abdome (menores que 1 cm), seguido da insuflação de gás carbônico, que ajuda a distender o abdome e criar espaço para que o cirurgião realize o procedimento com ajuda de uma câmera e pequenos instrumentos. A anestesia é geral e os pacientes são avaliados no pré-operatório quanto às suas condições clínicas para a realização da cirurgia.

  • Recuperação rápida do paciente: geralmente o tempo de internamento é de 12 a 24 horas e a maioria dos pacientes retorna a suas atividades habituais após 1 a 2 semanas
  • Pouca dor pós-operatória
  • Excelente resultado estético e cicatriz cirúrgica mínima: apenas 3 ou 4 pequenas incisões menores que 1 cm
  • Baixo risco de complicações e infecção

Apesar dos resultados após a cirurgia, em geral, serem excelentes, alguns pacientes podem apresentar complicações pós-operatórias, como após qualquer procedimento cirúrgico. As complicações mais comuns são sangramento, infecção e risco anestésico. Caso não seja possível realizar o procedimento por meio da técnica videolaparoscópica, pode ser necessário fazer uma incisão maior (corte) no abdome para terminar a cirurgia. Complicações mais graves, como lesão de órgão intra-abdominais e da via biliar principal são raras e podem acontecer em pacientes com múltiplas cirurgias prévias e/ou quadros recorrentes de inflamação prévia na vesícula.

Recomendações pós-operatórias

  • Sem restrição alimentar: apesar dos pacientes acharem que após a cirurgia terão restrição de algum tipo de alimentação (especialmente alimentos gordurosos), na prática, a maioria dos pacientes não têm qualquer tipo de restrição após a cirurgia. A bile continuará sendo produzida pelo fígado e lançada no intestino para auxiliar no processo de digestão, apenas não será mais armazenada na vesícula biliar.
  • Sem restrição de atividades: não há maiores restrições de atividades no pós-operatório. Geralmente, por questão de segurança pessoal é recomendado evitar de dirigir por 5 a 7 dias. Além disso, a dor/desconforto pós-operatório limitam algumas atividades mais intensas nos primeiros dias. Apenas é recomendado restrição de atividades que envolvem levantamento de peso (acima de 5-10 kg) e exercício de abdominal nos primeiros 30-40 dias (período da cicatrização). Após, os pacientes estão liberados sem restrições.

Recomendações pós-colecistectomia (Retirada da vesícula biliar)

  1. Não tem restrição de dieta, mas recomenda-se uma dieta leve nos primeiros dias após a cirurgia. Apesar de algumas pessoas – e mesmo médicos – orientarem seus pacientes que após a cirurgia não se pode comer alimentos gordurosos, isto é mais um mito que um fato. A grande maioria dos pacientes após a cirurgia não têm qualquer restrição.
  2. Não tem restrição de movimentos (caminhadas, subir escada e mesmo corridas leves são permitidos). Os pacientes devem retornar as suas atividades à medida que se sentirem confortáveis e seguros. Os pacientes devem apenas evitar levantar peso acima de 5-10 kg e fazer exercício de abdominal por 30-40 dias.
  3. Evitar dirigir por 3-5 dias após a cirurgia. O fato de dirigir não prejudica a recuperação, entretanto, por questão de segurança pessoal, recomenda-se evitar dirigir nos primeiros dias.
  4. Não precisa mexer no curativo. Em nosso serviço, fazemos curativo com micropore, que não precisa ser retirado. Orienta-se deixar a água escorrer sobre o micropore durante o banho e após secar com toalha ou secador.
  5. É normal que os pacientes apresentem um pouco de desconforto/dor abdominal nos primeiros dias de pós-operatório. Inicialmente, a dor é mais difusa no abdome e depois mais concentrada na região do umbigo, local pelo qual, geralmente, a vesícula biliar é retirada. Para controle da dor são prescritos analgésicos que devem ser tomados conforme a recomendação.
  6. É normal ficar um pouco inchado e/ou roxo ao redor das incisões.
  7. É normal vazar um pouco de secreção principalmente ao redor da incisão da região umbilical.
  8. É normal o ritmo intestinal ficar alterado nos primeiros dias após a cirurgia.
  9. Os pacientes são orientados a agendar retorno uma semana após a cirurgia para reavaliação.
  10. Em caso de qualquer sintoma atípico ou mal-estar acentuado os pacientes devem procurar o serviço de pronto atendimento/emergência do hospital em que a cirurgia foi realizada.

Obs.: este é nosso guia de recomendações gerais aos pacientes que se submetem à cirurgia de retirada da vesícula biliar. Entretanto, no pós-operatório, cada paciente recebe as orientações de forma individualizada e de acordo com as particularidades do seu caso.